“São Domingos deve ser trabalhado como o município da cimboa” – MCIC, Abraão Vicente

“São Domingos deve ser trabalhado como o município da cimboa” – MCIC, Abraão Vicente

No âmbito do programa de salvaguarda e reapropriação da cimboa, bem patrimonial, e sua inserção no mercado nacional e internacional, o projeto “Cimboa – Património Para o Desenvolvimento Sustentável” foi apresentado nas terras de Manu Mendi (dos últimos tocadores e fazedores da cimboa, há alguns anos em Cabo Verde), concelho de São Domingos.

Símbolo do património nacional de Cabo Verde, o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, através do Instituto do Património Cultural (IPC), está a trabalhar no plano de salvaguarda deste instrumento musical e a sua reintrodução na convivência quotidiana dos cabo-verdianos.

Neste sentido, conseguiu um financiamento de trinta e seis mil, novecentos e onze euros (36.911€), da pela União Europeia, através da PRO-Cultura PALOP – TL, coordenada pela Camões I.P.

Após a socialização, na cidade da Praia, deste projeto, o concelho de São Domingos acolheu, na tarde desta segunda-feira, 07 de março, a sua apresentação, num ato presidido pelo Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente.

O governante aproveitou o momento para lançar um desafio à autarquia no sentido de introduzir a cimboa como um dos símbolos do município. “São Domingos deve ser trabalhado como o município da cimboa. Fixá-la em São Domingos será uma mais-valia para o próprio município. Se esse processo ancorar e alavancar aqui temos uma boa oportunidade de marcar este município como o território de renascimento da cimboa”.

Não deixar a cimboa desaparecer. Este é o foco e este é o trabalho que vem sendo feito com várias iniciativas, e as formações são uma delas. “As formações são muito importantes para que uma provável candidatura a Património da Humanidade tenha sucesso. Isto porque um dos critérios que a Unesco pede para a classificação de um bem imaterial, é a capacidade do país em provar que temos sistemas de ensino ou meios de transmissão de conhecimento de uma geração para a outra”.

O Governo de Cabo Verde tem trabalhado no processo de resgate e na recuperação do património cultural de forma a conferir uma nova centralidade aos nossos bens patrimoniais.

Um processo que está a acontecer, também, com a Cimboa, por uma equipa do Instituto do Património Cultural (IPC).A apresentação contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de São Domingos, Isaías Varela e da Embaixadora da União Europeia em Cabo Verde, Carla Grijó.

Partilhar
Últimas Notícias