Procurar
Close this search box.
Procurar
Close this search box.

Há 85 anos chegavam os primeiros presos no Campo de Concentração do Tarrafal

Há 85 anos chegavam os primeiros presos no Campo de Concentração do Tarrafal

Há precisamente 85 anos chegaram a Cabo Verde, seguindo-se para o Tarrafal de Santiago os primeiros 151 presos português deportados pelo regime do Estado Novo então vigente em Portugal, do total de 340 presos que passariam pelo Campo entre 1936 e 1954.

Desta leva, faziam parte Bento Gonçalves, líder do Partido Comunista Português (PCP) e Mário Castelhano, líder da Confederação Geral do Trabalho (CGT). Os restantes presos eram de diversas profissões das quais camponeses, soldados, operários, marinheiros, estudantes e intelectuais que tiveram a ousadia de desafiar o regime político vigente. Estes foram instalados em barracas de lona com deficientes condições de habitabilidade e de higiene.

O espaço era ambíguo e os próprios presos acabariam por colaborar na edificação daquilo que seria a colónia penal, desde logo escavando as valas para que nenhuma tentativa de fuga sucedesse. O isolamento, a péssima condição das instalações, da alimentação, falta de assistência médica ou de índole criminosa, acrescida pelas condições geográficas e os constantes maus tratos a que estavam sujeitos constituiria fator determinante para que já em 1937 se começasse a registar as primeiras mortes.

Durante o funcionamento da primeira fase do campo seriam 32 o número de presos portugueses a perder vida neste lugar, que se assumiria como o campo da morte lenta, pela angústia e sofrimento a que os mesmos eram votados até a morte.

Em 1953 o último preso português abonado o Campo e o espaço é encerado por cerca de 8 anos. Contudo, a ideologia de aprisionar pensamentos, desterrar, isolar e castigar ainda faziam parte do regime. Assim Tarrafal seria novamente espaço de deportação e carcere de presos políticos, desta, nacionalistas das antigas colónias, sendo os primeiros os angolanos em 1962, seguida de uma leva de 100 guineenses no mesmo ano e mais tarde os cabo-verdianos.

O Campo de concentração apesar de toda carga sentimental associada se revitaliza hoje como um espaço de memória das lutas pelas liberdades de pensamento de associação e de reunião dos povos, procurando promover o diálogo pela paz pela tolerância e diversidade. Estes foram os pressupostos da sua inclusão na lista indicativa da UNESCO, da sua reabilitação e musealização que procura promover a reflexão sobre o passado, para que o futuro se construa na base do diálogo e na promoção da paz para os povos de toda a humanidade.

Assista o documentário com os testemunhos dos presos que passaram pelo Campo de Concentração do Tarrafal!

Partilhar