Arqueologia

A legislação cabo-verdiana, lei nº 102/III/90, enquadra a definição do património arqueológico no de Sítios Históricos, no qual define que “são obras do homem ou obras conjuntas do homem e da natureza, espaços suficientemente característicos e homogéneos, de maneira a poderem ser delimitados geograficamente, notáveis pelo seu interesse histórico, arqueológico, artístico, cientifico ou etnológico”.

A realização de pesquisas ou sondagens que tenham por finalidade a descoberta de monumentos ou objetos podendo interessar a história ou a arte arqueológiaa, esta sujeita a autorização do Conselho de Ministros sob proposta do membro do Governo responsável pela cultura.

A lei do património nacional classifica todos os achados e despojos históricos recolhidos dentro da área de jurisdição de Cabo Verde, como propriedades do Estado, cabendo a este “preservar, defender e valorizar o património cultural do povo cabo-verdiano, incumbindo-lhe criar e promover as condições necessárias para o efeito”

A nível internacional, a preservação e valorização do património arqueológico é coordenado pelo International Council On Monuments and Sites (ICOMOS) através da Carta Sobre a Proteção e a Gestão do Património Arqueológico de 1990.

Segundo o ICOMOS O “património arqueológico é aquela parte do material arqueológico a partir da qual os métodos arqueológicos proporcionam informação primária. Ele compreende todos os vestígios da existência humana e consiste em sítios relacionados com todas as manifestações da atividade humana, estruturas abandonadas, e vestígios de todos os tipos (incluindo sítios subterrâneos e subaquáticos), bem como todos os materiais culturais transportáveis que lhes estão associados”.

Património Arqueológico

Escavação Arqueológica - Alcatraz

Resultado da prospeção arqueologica realizada em 2012, na igreja de Nossa Senhora da Luz, Alcatrazes, pelo Instituto do Património Cultural em parceria com a universidade de Cambridge.

Conheça o resultado da Escavação Arqueológica - Alcatraz: Ver/ Download

 

Escavação Arqueológica - Salamansa

Este relatório apresenta o principal resultado obtido das duas missões arqueológicas realizadas na ilha de São Vicente em 1998 e em 2005 com o apoio do Centro Português de Actividades Subaquáticas (CPAS).

Em 1998, confirmou‐se o efetivo interesse arqueológico do sítio, localizado sobre o mar, em local abrigado da vasta baía de Salamansa, situada na parte setentrional da ilha, tendo‐se registado a respetiva extensão e estratigrafia e procedido à colheita de amostras para datação.

Embora os resultados dessa campanha tivessem sido publicados, indicando estação de carácter habitacional, revelada pela notável acumulação de conchas, acompanhada de abundantes fragmentos de cerâmicas manuais, de produção africana, mantinha‐se indefinida a sua verdadeira natureza.

Impunha‐se, assim, proceder à escavação integral da área que ainda subsistia da estação, sujeita de forma contínua a forte erosão marinha, bem como à colheita de novos materiais para datação, de forma a confirmar as conclusões preliminares anteriormente obtidas, objetivos que se concretizaram em 2005.

Conheça o resultado da Escavação Arqueológica  de Salamansa Ver / Download (.pdf).

 

Intervenção no Forte Santo António

O Forte de Santo António na Cidade Velha foi alvo de intervenção em 2015, no âmbito do projeto desenvolvido em estreita ligação com as autoridades de Ribeira Grande e da Curadoria da Cidade Velha.

 O referido projeto teve como objetivo a valorização e salvaguarda do Forte de S. António e da Ermida contígua ao Forte (a Ermida de S. António) enquanto parte do vasto património material e imaterial desta Cidade, Património da Humanidade.

Foi concretizado através dos programas Gulbenkian Parcerias para o Desenvolvimento e de Língua e Cultura Portuguesas, transcrita neste documentos por meio dos relatórios pedagógico, técnico (intervenção arqueológica e de conservação e restauro) e financeiro.

Conheça o resultado da intervenção realizada no Forte Santo António: Ver/ Download (.pdf) 

Relatório de peças arqueológicas provenientes na Ilha do Maio

Prospeção realizada na localidade de Santana, ilha do Maio, onde encontrou-se uma quantidade significativa de fragmentos de cerâmica. Constatando a importância do achado recolheu-se algumas peças para análise. 

Conheça as peças arqueológicas provenientes na Ilha do Maio: Ver/ Download (.pdf)