marnapm

A morna é o género musical mais representativo do ser e do sentir cabo-verdiano. Faz parte do conjunto dos traços distintivos da cultura nacional e é, entre todos os géneros, o que mais se destaca no mercado interno e além-fronteiras.

Estrutura-se em três dimensões: melodia, poesia e dança, caracterizando-se pelo compasso quaternário, ritmo lento, e predominância dos esquemas tonais menores clássicos perfeitos de infl uência europeia. Versando sobre temas lírico-passionais, produz-se uma canção melancólica, muito vinculada aos sentimentos do amor, sofrimento, saudade, ternura, tristeza, ironia, ou à boa ou má sorte do destino individual.

Geralmente acompanhada por instrumentos acústicos como a viola, o cavaquinho, o violino, o piano e, mais recentemente, a percussão e o baixo, é, contudo, o violão, o instrumento de excelência da morna, permitindo os baixos corridos (designados bordões), a ampla utilização de acordes de transição (meio-tom ) e o favorecimento das condoídas Txoradinhas (sons agudos e arpejados).

Este género musical pode ser apreciado em variadas situações e ambientes tendo lugar tanto em recintos fechados (bares, restaurantes etc.), onde decorrem as famosas “noites cabo-verdianas”, como em outros meios descontraídos, sob a luz do luar ou cheirando a maresia. Sem esquecer da forte presença da morna em certos ritos de passagem (Sete e Exéquias), é de se registar, ainda, em certas ilhas, a prática da serenata ao relento, por baixo de uma janela de uma amada, amigo ou ente querido.

Actualmente, o Estado de Cabo Verde, através do Ministério da Industrias Criativas, prepara a candidatura da morna, a Património Cultural Imaterial da Humanidade. A candidatura deverá ser entregue a UNESCO em finais de março de 2018, ficando o país a conhecer a decisão de classificação em dezembro de 2019.

A 27 de fevereiro de 2018, a casa magna nacional, instituiu o dia 3 de dezembro como o dia Nacional da Morna. A data escolhida é uma homenagem a um dos mais ilustres compositores de Cabo Verde, Francisco Xavier da Cruz- B.Leza. Um ilustre compositor que deixou marcas históricas na geração dos músicos cabo-verdianos, desde a sua época até atualidade.