Convite Livro Adelaide

A língua materna é a primeira língua que nos permite expressar os nossos pensamentos e garantir a nossa liberdade de expressão, daí que ela é importante para o desenvolvimento, a construção da paz e reconciliação, conforme preconiza a UNESCO.

Nesta senda, que no âmbito das celebrações do dia Internacional da Língua Materna, celebrada a 21 de fevereiro, o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, através do Instituto do Património Cultural lança o livro de bolso “Auto da língua cabo-verdiana – alguns traços estruturais” da linguista do Instituto, Adelaide Monteiro.

O lançamento que terá lugar esta quinta-feira, dia 21 de fevereiro, pelas 17h30, na sala de conferência da Biblioteca Nacional de Cabo Verde, será apresentado por António Correia e Silva e Filomena Delgado.

Note-se que para celebrar a efeméride, em 2019, a UNESCO elegeu o lema “As línguas autóctones são importantes para o desenvolvimento, a construção da paz e a reconciliação”. Em Cabo Verde, o MCIC, através do IPC, decidiu celebrar este dia destacando não só a língua crioula cabo-verdiana, mas também chamando atenção pela presença da língua gestual, a língua materna da comunidade surda.

Atendendo a este fator, o lançamento de “Auto da língua cabo-verdiana” contará com uma participação especial da Associação Cabo-verdiana de Surdos, que levará uma performance de crianças e jovens surdos sobre o uso da língua gestual.

Adelaide Monteiro, é linguista do Instituto do Património Cultural, formada pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Mestre em letras neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É coautora do “Manual e língua cabo-verdiana do” Corpo da Paz” em cabo verde. Autora do programa áudio e vídeo “Lê e skebe na língua kabuverdianu” produzido em 2009.

Últimas Notícias