ancoradouro cidade velha

No âmbito do projeto de arqueologia subaquática CONCHA, uma equipa técnica do Instituto do Património Cultural, participa, durante 30 dias, de um conjunto de workshop, em Portugal, promovido pela Universidade Nova de Lisboa e pelo CHAM.

As formações comportam várias áreas, desde de arqueologia subaquática, sistema de informação geográfica (georreferenciação), conservação e restauro, e gestão de museus. E cumprem assim a politica do Ministério da Cultura e das Industrias Criativas, através do IPC, de capacitação técnica e reforço institucional.

A equipa cabo-verdiana, que se desloca a Portugal, é composta pelo Arqueólogo e Coordenador da Direção dos Monumentos e Sítios, Jaylson Monteiro, pela Arqueóloga Dunia Pereira, pela Museóloga Eugenia Alves, e pelo Conservador José Lima.

Recorda-se que no passado mês de julho, uma equipa de especialistas do CHAM e da Universidade Nova de Lisboa, esteve em Cabo Verde, para realização de um mapeamento visual detalhado dos naufrágios na ilha de Santiago. Um trabalho que servirá de base para estudos científicos, trará confirmações de histórias das navegações e naufrágios que abundam as àguas deste Arquipélago.

O projeto CONCHA, projeto da Cátedra Unesco - O Património Cultural dos Oceanos, explica as diferentes formas pelas quais as cidades portuárias se desenvolveram em torno da borda do Atlântico no final do séc. XV e início do séc. XVI em relação aos diferentes ambientes ecológicos e económicos globais, regionais e locais.

Cabo Verde, através do Instituto do Património Cultural, integra o projeto CONCHA juntamente com a Universidade Pablo de Olavide, Old Dominion University, OMA - Observatório do Mar dos Açores, Trinity College Dublin Global, Associação para as Ciências do Mar, Universidade do Norte; Mar, Ambiente e Pesca Artesanal, Universidade Federal de Sergipe e Eveha International.

Últimas Notícias