1 ano de mandato

Um ano após a tomada de posse do novo corpo diretivo do IPC - Instituto do Património Cultural, liderado por Hamilton Jair Fernandes, a direção do IPC promoveu um retiro para balanço das atividades e projetos implementados no último ano, e semestre, e ainda projetar as linhas orientadoras do orçamento para 2019.

Um ano desafiante, segundo o Presidente do IPC, com desafios a todos os níveis e com grandes ganhos. Feito este, também, reconhecido pelos Diretores e Coordenadores de serviço, embora todos concordem ser este apenas o início do processo.

O instituto trabalha agora para o reforço da imagem institucional, valorização dos recursos humanos, reforço legislativo para melhor dar respostas às demandas que a preservação do património cultural exige, mas também as demandas sociais.

Durante este um ano, a nova direção tem trabalho nos projetos de inventário do património imóvel, móvel (museus) e imaterial (Tabanca e São João), requalificação de edifícios históricos, criando comissões conjunta para seguimento dos mesmos.

A nível de classificações, trabalhou-se sobre o projeto de classificação das festividades de São João a Património Cultural Nacional, Sítio Histórico e Arqueológico da Trindade, aprovados em Conselho de Ministros de novembro de 2017 e abril de 2018, respectivamente. Entregou-se, em março, o Dossier de Candidatura da Morna à lista representativa da UNESCO. Prepara-se a entrega na lista Onomástica do país, classificação da língua cabo-verdiana a património nacional.

Em curso está também a atualização do plano de gestão da Cidade Velha, Património Mundial, exigido pela UNESCO para com os Sítios classificados, retomou-se o gabinete técnico conjunto entre o IPC e a Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago, tendo já resultado a conceção do Manual Urbanístico Ilustrado para construções naquele Sítio. Um manual que o IPC espera ser referência para os outros Centros e Sítios Históricos classificados em Cabo Verde.

Tem apostado na educação patrimonial, com sensibilização de crianças e comunidades para preservação do legado histórico nacional. Criou-se o Gabinete de Educação Patrimonial para o efeito, realizou-se a primeira conferência nacional de educação patrimonial, e juntamente com demais parceiros prepara-se um plano nacional de educação patrimonial.

Com o projeto Museus de Cabo Verde, traçado pelo Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, pretende implementar uma nova dinâmica e cultura museológica no país. Valorização também das manifestações culturais nacionais e seus fazedores, com o projeto de valorização de São João, Tabanca, entre vários outros projetos estruturantes a que o Instituto tem sido parceiro, tanto a nível nacional como internacional.

A nível internacional o IPC representa Cabo Verde em três projetos, dois deles, ligados à arqueologia subaquática (CONCHA, Coordenado pela CHAM/UNL e MARGULLAR Coordenado pelo Cabildo de Lanzarote) e o mais recente Sosturmac - Turismo Sostenible Canarias y Cabo Verde, Coordenado pelo Cabildo de Tenerife.

Participaram do encontro o Presidente do IPC, o Director Administrativo e Financeiro, Filomeno Fortes, a Diretora do Património Imaterial, Sandra Martins, os Coordenadores das Direções de Monumentos e Sítios, e Museologia e Museus, Jaylson Monteiro e Adilson Dias. Em relação aos gabinete de apoio ao Presidente, marcaram presença Ana Carvalho (Gabinete Juridico), Fátima Barbosa (Gabinete de Cooperação), Ana Samira Silva (Gabinete de Gestão da Cidade Velha PM), Yolanda Gomes (Gabinete de Educação Patrimonial), Maria Rosa Barreto (Secretária do PR) e Suzilene Andrade(Gabinete de Comunicação e Imagem).

Últimas Notícias