reuniao direcao 2018

A Direção do Instituto do Património Cultural, liderada pelo seu Presidente, Hamilton Jair Fernandes, reuniu-se nesta, terça-feira, para um balanço do primeiro semestre de atividades, e traçar novas diretrizes para o seguinte que se aproxima.

Foi pauta deste encontro, a partilha de Informações sobre as actividades em curso e balanço semestral, Análise da proposta de estatuto e proposta do quadro socialização da proposta do Regime Jurídico do Património Cultural

Ao longo dos 5 meses, o IPC tem trabalhado em várias frentes e alcançado bons resultados, com uma dinâmica muito bem avaliada pelo Presidente do Instituto.

A nível da Direção dos Monumentos e Sítios, liderada por Jaylson Monteiro, o IPC tem dado vazão ao inventário nacional do património imóvel, com o levantamento já concluído nas ilhas do Fogo e do Maio; prospecções arqueológicas na Igreja de São Tiago Maior, e Santana de Morrinho na ilha do Porto Inglês;

Tem trabalhado nos projetos de reabilitação do património imóvel, traçado pelo Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, no quadro do PRAA. E ainda os projetos de arqueologia subaquática Concha e Margullar.

A nível da Direção do Património Imaterial, sob coordenação de Sandra Martins, o IPC entregou o Dossier de candidatura da Morna a Património Cultural Imaterial da Humanidade. Candidatura esta que já se encontra disponível para consulta pública no site da UNESCO, através do link https://bit.ly/2Hf5QHv

Prepara-se para breve a proposta de classificação da língua cabo-verdiana a património nacional, e o fechamento da lista onomástica nacional, bem como a implementação do Plano de Salvaguarda de San Jon, Património Nacional, e da Morna, no quadro da sua candidatura à Lista Representativa da UNESCO. Realizou-se o inventário da Tabanca nas ilhas do Maio e em Santiago. Em relação a Tabanca é de referir que o MCIC concedeu um subsídio de 200 contos aos grupos de Tabanca, no passado mês de abril.

No contexto museológico, a Direção de Museologia e Museus, coordenada por Adilson Dias, tem em curso o Plano Nacional de Conservação dos Acervos Museológicos; o projeto Museus de Cabo Verde que já deus os primeiros passos no Museu da Resistência, com intervenções no edifício e preparação do projeto de valorização museológica e patrimonial.

Museus de Cabo Verde seguirá em breve para o Museu Etnográfico, também com intervenções naquele espaço museológico, que completou os seus 20 anos de existência no passado mês de novembro. Prepara-se ainda para este mês, financiado pela Gulbenkian, uma formação para área de museologia, a nível nacional.

De realçar que a referida direcção tem em curso a elaboração dos projectos do Museu do Sal, Museu da Tabanca, Museu da Pesca e Museu do Mar.

Por fim, o Instituto prepara a revisão de todo pacote legislativo, de modo a fazer face aos novos desafios de gestão do património cultural; e tem feito forte aposta na valorização dos seus recursos humanos, sob a liderança de Filomeno Fortes.

O Presidente, Hamilton Jair Fernandes, reconheceu a boa dinâmica e condução dos projetos, reconhecendo o contributo de todos, porém reforça que a necessidade de se manter o foco perante os muitos desafios que se seguem e da necessidade de finalizar os processos em curso, respeitando o cronograma previsto no quadro do plano de actividades do IPC, para o presente ano.

Participaram do encontro, o Diretor de Administração e Finanças, Filomeno Fortes, a Diretora de Património Imaterial, Sandra Martins, o Coordenador da Direção dos Monumentos e Sítios, Jaylson Monteiro, e o Coordenador da Direção de Museologia e Museu, Adilson Dias.

Últimas Notícias