Dossier MornaMaria Piedade de Jesus, Secretária de Estado da Cultura de Angola, fez esta declaração aquando do encontro com a direção do património imaterial, afeto ao IPC, para inteirar-se do processo de candidatura da morna a património cultural imaterial da Humanidade. O encontro aconteceu no âmbito da vista da delegação angolana a Cabo Verde para troca de experiências em áreas de comum interesse.

Sandra Martins, Coordenadora do projeto de candidatura, apresentou à Secretária de Estado, os passos que têm sido seguidos para elaboração do dossier candidatura. Um processo, que segundo explicou, tem a comunidade como protagonista. Isto por ser ela a validar a intenção de classificação do bem.Cabo Verde tem até março de 2018 para entregar o dossier, para conhecer o resultado a dezembro de 2019.

A narrativa de candidatura da morna a património cultural imaterial da humanidade, portanto, surge assim: um género musical cabo-verdiano, elo de toda uma Nação, que nasce num sitio próprio e se expande pelo mundo.

No decorrer da sua intervenção, a Secretaria de Estado angolana, garantiu levar informações importantes para o seu país, principalmente no domínio do património imaterial. Um campo onde “Cabo Verde está bem avançado e num bom caminho”. Facto que levou-a agradecer, em nome da Ministra da cultura angolana, a rica partilha de experiências por parte do Estado de Cabo Verde. Aproveitou ainda para reforçar a abertura, do Estado que representa, em colaborar com este Arquipélago.

O encontro contou com a presença do Presidente do IPC, a Secretária Executiva da Comissão Nacional de Cabo Verde para UNESCO, e técnicos do IPC.

Últimas Notícias